Piano

Inventado ainda no final do século XVII, o piano tornou-se o mais utilizado instrumento de teclado a partir do final do século XVIII.

Como funciona?

Seu som é produzido através de martelos que golpeiam as cordas e, por isso, é capaz de nuances dinâmicas.

Um pouco de história...

O piano foi inventado na Itália por Bartolomeu Cristofori, em 1698, e difundiu-se pela Europa ao longo do século XVIII. Foi também chamado de pianoforte ou fortepiano. 

Os primeiros modelos eram em formato de cauda, similar ao do cravo, mas várias outras formas foram desenvolvidas para o instrumento visando diminuir o espaço ocupado dentro dos lares, entre elas o piano de armário (ou vertical).

 

Pianoforte de Bartolomeu Cristofori (1720) - The Metropolitan Museum of Art -  EUA

A referência mais antiga sobre os pianos no Rio de Janeiro data de 1798. Consta no inventário post-mortem do botânico Antônio Pereira Ferreira que menciona um “Piano forte feito no Rio de Janeiro avaliado na quantia de noventa e cinco mil réis”, demonstrando que, antes da chegada da corte, os instrumentos já eram conhecidos na cidade e possivelmente por aqui fabricados.

Trecho de um inventário de um pianoforte (1798) - Acervo Arquivo Nacional - RJ

 

Um dos únicos pianos sobreviventes no Rio de Janeiro e que pode ter pertencido à Imperatriz Leopoldina encontra-se localizado atualmente no Museu Imperial de Petrópolis. É um instrumento retangular fabricado nos anos de 1820 pelo conhecido construtor inglês John Broadwood.

Pianoforte de mesa de John Broadwood (c. 1820) - Museu Imperial de Petrópolis - RJ

Assista ao vídeo abaixo no qual a pianista Maria Teresa Madeira toca em um piano Broadwood da segunda metade do século XIX.