Início do conteúdo

Exposição Musica Brasilis visita Ipatinga (MG)

29/06/2019

Após cinco edições realizadas em diferentes cidades brasileiras, a exposição interativa Musica Brasilis chega à cidade mineira de Ipatinga, no Centro Cultural USIMINAS entre os dias 28 de junho e 1 de setembro, com entrada gratuita.

Veja a seguir o vídeo sobre a edição realizada no CCBB de Belo Horizonte em julho de 2016.

Instrumentos musicais, vídeos e instalações interativas ilustram 5 séculos de música brasileira, com ênfase na criação mineira. O projeto é uma realização do Instituto Musica Brasilis, Ministério da Cidadania e Governo do Estado de Minas Gerais com patrocínio da USIMINAS.
A curadora é Rosana Lanzelotte, que criou o Musica Brasilis em 2009, com o objetivo de resgate e difusão dos repertórios brasileiros de todos os tempos. A exposição se apoia nos conteúdos reunidos ao longo de 10 anos para o portal MUSICA BRASILIS.

A - IMAGENS DA MÚSICA: vídeo construído a partir de iconografia relativa às práticas musicais desde o século 16 até os dias de hoje. O ponto de partida é a melodia tupinambá anotada por Jean de Léry (1557), o registro mais antigo que se tem da música praticada no Brasil (Anônimo, cantos tupinambás coletados por Jean de Léry). Desde então, viajantes e artistas de todas as épocas retratam músicos em ação: Debret, Rugendas, Portinari e os grafiteiros do século 21.

 

Registro de J. B. Debret (século XVIII) retratando escravos com diferentes instrumentos musicais

B - INSTRUMENTAL: serão expostos instrumentos de origem indígena, europeia e africana. Em um totem interativo, o visitante seleciona vídeos que mostram como funcionam os instrumentos de diversas famílias – teclados, cordas, percussão e sopro (Instrumentos) - e em que músicos descrevem suas características e emprego na música.

C - JOGOS:

JOGO DE COMPOR: os visitantes "criam" a própria música a partir de trechos pré-gravados. As diferentes seções da mesa correspondem aos "ingredientes" da música: ritmo, melodia e harmonia.

JOGO DE MIX: possibilita aos visitantes entender, através de animações, como funciona a notação musical. Os visitantes podem atuar sobre o volume de partes da instrumentação, para compreender como se somam para formar a música (Jogos).

D - LINHA DO TEMPO DA MÚSICA BRASILEIRA: propicia o acesso a informações e vídeos de obras de mais de 500 compositores brasileiros. Os conteúdos são provenientes do portal Musica Brasilis e podem ser filtrados por autor, período e gênero.

E - MÚSICA EM MINAS ATRAVÉS DOS SÉCULOS

1.    A música sacra do ciclo do ouro e dos diamantes
A descoberta do ouro no início do século 18 ocasiona a criação da capitania das Minas Gerais e o surgimento das primeiras cidades mineiras. Em Vila Rica (hoje Ouro Preto), epicentro da extração do ouro, as igrejas se multiplicam e a música sacra floresce (Música Colonial Brasileira).

2.    Os primeiros teatros do Brasil
O teatro mais antigo em funcionamento no Brasil é o de Ouro Preto, inaugurado em 1769. As “casas de ópera”, como eram chamadas, destinavam-se a pequenos espetáculos, com ou sem música e, de acordo com a crônica do século 18, dificilmente reuniam intérpretes mais capacitados que os que atuavam na música religiosa. 

                                                                        Casa de ópera de Vila Rica, atual Teatro de Ouro Preto

3.    As modinhas de Marília de Dirceu
Um dos inconfidentes, Tomás Antonio Gonzaga (1744 – 1810), é o autor da coletânea de poemas “Marília de Dirceu”. Musicadas pelo compositor português Marcos Portugal (1762 – 1830), é uma das principais coletâneas de modinhas brasileiras (Tomás Antônio Gonzaga).

4.    Os lundus dos negros mineiros na visão dos viajantes 
Os naturalistas bávaros Spix e Von Martius visitaram Minas (Santa Bárbara) em 1817, onde recolheram exemplos de lundus, gênero tipicamente africano (A Viagem musical de Spix e Von Martius (1817 - 1821)).

5.    As bandas de Minas 
O registro mais remoto sobre a atuação de bandas de música no Brasil data de 1774 e refere-se à que teria sido regida em Mariana, por Pedro Nolasco da Costa Athayde, parente do Mestre Manoel da Costa Athayde, cuja arte pode ser apreciada em diversas igrejas barrocas. Hoje Minas abriga 438 bandas, um terço das do país.

6.    A Orquestra Ribeiro Bastos e a vida musical de São João Del-Rei
A vida musical em São João intensificou-se na segunda metade do século 19, com a ampliação do calendário religioso e a apresentação de companhias líricas brasileiras e internacionais. Em 1878, foi inaugurado o prédio da Filarmônica Sanjoanense (Teatro Municipal) e em 1891, foi criado o clube Ribeiro Bastos, responsável pela apresentação de “Concertos Populares” a partir de 1901 (Martiniano Ribeiro Bastos).

7.    Século 20: os bailes e a era do rádio
Os ritmos que marcavam os bailes eram a polca, o maxixe e, logo em seguida, o samba.
Na década de 1930, entram em operação duas emissoras de rádio em Minas: a Rede Mineira de Rádio, que já fechou, foi ao ar pela primeira vez em 1931, e a rádio Guarani, que foi inaugurada em 1936. Por muito tempo, a rádio levou música aos mineiros da capital e também do interior. Destaca-se o compositor mineiro Ary Barroso, autor de Aquarela do Brasil, que também foi radialista (Ary Barroso).

8.    Clube da Esquina e Uakti
Nascido em meados da década de 60, o Clube da Esquina tornou-se um dos movimentos mais importantes da música brasileira, combinando diferentes estilos como bossa nova, jazz, rock’n’roll e da música folclórica, tendo entre seus componentes nomes como Milton Nascimento e os irmãos Borges, Flávio Venturini, Toninho Horta e Beto Guedes, entre outros. Fundado em 1978, o Uakti inovou ao criar os próprios instrumentos (Marco Antônio Guimarães).

9.    O pop-rock e o sertanejo dos anos 90
Célebres bandas mineiras se estabelecem no início dos anos 90, entre elas Skank (1991), Pato Fu (1992), Tianastácia (1992) e Jota Quest (1993). O sertanejo volta com força total a Belo Horizonte, após tanto tempo sendo discriminado.
 

Banda Jota Quest

 

SERVIÇO:

VISITAÇÃO: de 29 de junho a 1 de setembro de 2019
de terça-feira a sábado, das 10h às 21h, e domingo, das 10h às 18h
Entrada gratuita
Informações e agendamento de visitas: (31) 3824 3731 e 3822 2215
 
CONVERSA COM A CURADORA Rosana LanzelotteProjeto Arte em Família: 24 de agosto às 15h (vagas limitadas)
 
CENTRO CULTURAL USIMINAS - Av. Pedro Linhares Gomes, 3900 - Shopping Vale do Aço - Bairro Industrial - Ipatinga/MG